ARS POETICA - I

In POEMAS DE BRAÇO AO ALTO, pág. 14

— Mãos à obra? — Mãos à obra!
Ponto é que, quando a abras,
saibas ver o que é que sobra
d’um palácio de palavras.